História do Movimento Estudantil

Enquanto estudante o que você pode fazer para transformar a sociedade na qual você se encontra?

Será que os estudantes, quando organizados, podem ser considerados movimentos sociais?

E será que essas organizações já trouxeram mudanças para a sociedade?

Em novembro de 1985, foi criada uma lei federal que regulamenta o funcionamento das entidades estudantis no Brasil. Essa lei, de n° 7.398 de 4 de novembro de 1985, assegura aos estudantes do Ensino Fundamental e Médio o direito de se organizarem autonomamente e criarem uma entidade representativa de seus interesses.

Mas você sabe como funcionam tais entidades e conhece esta lei?

O que estamos tratando é da possibilidade, por exemplo, dos alunos de qualquer escola no Brasil poder criar um Grêmio Estudantil a partir da eleição direta do corpo discente (alunos).

Está na lei n° 7.398:

“Art. 1o – Aos estudantes dos estabelecimentos de ensino de 1º e 2º graus fica assegurada a organização de Estudante como entidades autônomas representativas dos interesses dos estudantes secundaristas com finalidades educacionais, culturais, cívicas, esportivas e sociais”.

Qual o procedimento que devemos ter para criar um Grêmio?

É criada uma ou mais chapas, compostas por alunos da própria escola, que concorrerão a uma eleição, e posteriormente, representarão os interesses dos alunos nas discussões da escola.

Portanto, a partir dessa lei, o estudante além de se organizar enquanto entidade representativa, também pode reivindicar mudanças não só dentro da sua escola, como também, no que diz respeito à sociedade em que está envolvido.

Boa parte das instituições de ensino hoje, tanto do Ensino Fundamental e Médio, como as de nível Superior, possuem suas entidades representativas. As escolas possuem seus Grêmios Estudantis, as Universidades possuem CA’s (Centros Acadêmicos), DA (Diretório Acadêmico) e DCE (Diretório Central dos Estudantes); e ainda existem entidades que representam o coletivo dos estudantes não só na instituição, mas em toda a sociedade, nas mais diversas instâncias. Assim, temos no Estado do Paraná a UPE (União Paranaense de Estudantes) e a UPES (União Paranaense de Estudantes Secundaristas), e em nível nacional a UBES (União Brasileira de Estudantes Secundaristas), a UNE (União Nacional dos Estudantes).

Mas nem sempre foi assim na história do Brasil. Durante o período militar (1964-1985), essas entidades foram proibidas de se organizarem em acordo com a lei. Não que as mesmas deixaram de existir, mas elas estiveram na clandestinidade durante quase todo o período, e por consequência, seus integrantes também.

Agora, se essas organizações eram ilegais (do ponto de vista constitucional e jurídico), por que esses estudantes colocaram suas vidas em risco fazendo parte dessas instituições e organizando movimentos sociais no Brasil durante esse período?

A resposta certamente não é porque eles eram baderneiros, ou desejavam criar conflitos sem nenhum sentido, muito pelo contrário, esses estudantes que na época fizeram parte dos movimentos estudantis, desejavam uma sociedade mais justa, democrática, na qual de fato pudessem defender seus interesses.

Portanto, da mesma forma que os movimentos sociais já estudados nos textos anteriores, como o movimento dos trabalhadores rurais sem-terra – que defendem o fim do latifúndio e a reforma agrária -, o movimento social organizado pelos estudantes também reivindicavam transformações na sociedade brasileira.

E isso não acontece só no Brasil, em outros países como a França, os Estados Unidos da América, a Alemanha, a Itália, o Chile, a Argentina, a Espanha, dentre tantos outros países, possuíram ou possuem movimentos estudantis, defendendo os mais diversos motivos.

Para Aprender:
ATIVIDADE

A sua escola tem um Grêmio Estudantil? Você sabe quais atividades esse Grêmio tem desenvolvido em prol de você, estudante, e da sua comunidade? Discuta as suas propostas em sala de aula, buscando interferir nessa entidade.

Caso em sua escola não exista um grêmio, organizem-se de modo a oferecer discussões que proporcionem a criação de um.

Para obter maiores informações sobre como organizar um Grêmio, bem como as lutas do movimento estudantil na atualidade, procurem as entidades representativas no Estado ou mesmo as Nacionais.

A segunda metade do século XX teve em sua história uma série de situações que de certa maneira criaram condições para o surgimento de inúmeros movimentos sociais.

No caso específico do Brasil, o golpe militar de 1964 deu início ao regime ditatorial, incompatível com os valores democráticos e, acabou por favorecer e desencadear movimentos sociais, tanto de oposição quanto de defesa do governo vigente.

O regime ditatorial brasileiro tinha como um de seus objetivos conter as crescentes manifestações de caráter popular, que exigiam reformas sociais, mais ou menos, profundas (agrária, estudantil e urbana, principalmente). A direita e a extrema direita política da época, julgavam que essas manifestações e reivindicações estavam vinculadas de forma direta e indireta à expansão do socialismo e do comunista pelo mundo.

Não podemos deixar de lembrar que durante a década de 1960, ocorria no mundo a chamada Guerra Fria, cujos principais participantes eram a ex-URSS (União das Repúblicas Socialistas Soviéticas) e os Estados Unidos. Pós-II Guerra Mundial estabeleceu-se uma disputa entre essas duas potências, que desejavam a expansão e consolidação de seus regimes econômicos e políticos, a saber, o socialismo e o capitalismo. E este fator externo foi fundamental para o advento da ditadura militar no Brasil, inclusive contando com a participação direta de organizações secretas e militares norte-americanas como a CIA (Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos) no processo de treinamento dos militares brasileiros e observando o desencadeamento das ações da esquerda.

Os jornalistas tinham suas reportagens censuradas, os atores e escritores tinham suas peças impedidas de serem exibidas, os professores eram obrigados a deixarem as salas de aula por emitirem opiniões contrárias tanto ao regime ditatorial, como também, os valores morais e sociais impostos pelo Estado.

Um grande número de partidos e organizações de esquerda surgiu neste período de tensão na sociedade brasileira, cujo principal objetivo era o fim da ditadura militar.

Cada organização desta exerceu, durante a ditadura, um importante papel de resistência. Uma série de ações foram pensadas e realizadas na busca pela transformação da sociedade brasileira.

Podemos então citar dentre essas mais variadas formas de atuação na sociedade brasileira: O PCB (Partido Comunista Brasileiro), ALN (Aliança Libertadora Nacional), PCBR (Partido Comunista Brasileiro Revolucionário), MR-8 (Movimento Revolucionário 8 de outubro), o Partido Comunista do Brasil (PC do B), Ação Popular (AP), a POLOP (Organização Operária Marxista Política Operária), isso para elencar apenas algumas.

Esses grupos tinham as mais diferentes orientações: uns tinham como meta a guerrilha armada, outros discutiam a formação de uma “frente ampla”, a qual uniria a burguesia nacional, os trabalhadores e as mais diversas organizações sociais para combater a ditadura.

Entre as formas de intervenção desses grupos, podemos lembrar da prática de seqüestros organizados pelo MR-8, que chegaram a incluir embaixadores estrangeiros, e também a realização de assaltos a bancos, organizados como o intuito de arrecadar fundos para a resistência à ditadura.

O próprio movimento estudantil desenvolvia ações que questionavam e combatiam a ditadura. Mesmo antes da execução do golpe em 1964, principalmente a UNE possuía uma série de atividades, nas quais a valorização do nacional estava posta em primeiro plano.

Uma dessas atividades era em torno dos CPC’s (Centro Popular de Cultura). Esta entidade foi criada no ano de 1962 pela UNE e tinha como objetivo fomentar a produção cultural brasileira. Seus incentivos davam-se em todas as áreas da arte. Em todas as obras que foram produzidas estavam presentes um caráter nacional popular associado ao protesto social. Com esta nova concepção sobre o que a arte tinha de representar, objetivava-se criar uma unidade nacional por meio da valorização da população brasileira, trazendo para o centro das manifestações artísticas o seu cotidiano e suas experiências sociais.

Dessa forma, a música, o teatro e todas as outras manifestações artísticas tinham como objetivo final de suas produções a apresentação de temas que fossem, de algum modo, ligados às classes populares do país, buscando criar uma identidade nacional que se opunha aos valores culturais das elites dominantes, “contaminados” por cultura estrangeira.

Um bom exemplo para este tipo de produção que valorizava o nacional popular e ainda realizava protesto é a música “Subdesenvolvido”, de Carlos Lyra e Chico de Assis.

Nessa música, a letra descreve uma situação já bastante comum na época, que era a incorporação de valores que não eram nacionais, mas sim norte-americanos, denominado pelos autores de “americanos”.

Eles fazem referência ao consumo de formas de pensar, dançar e cantar que tinham sua origem nos EUA, um país desenvolvido. Este país, segundo a letra, nos influenciava, mas, no entanto, estas formas de pensar não correspondiam à nossa realidade nacional.

Subdesenvolvido

Os versos da música dizem:
“[...] O povo brasileiro embora pense, dance, cante como o americano,

não come como americano,

não bebe como americano

vive menos, sofre mais

[...] Subdesenvolvida, subdesenvolvida

Essa é que é a vida nacional”.

Portanto, temos uma letra que discute a incorporação de um modo de vida que não é brasileiro, de um povo que não possui as dificuldades nacionais e ainda, não vive numa nação subdesenvolvida.

E a solução para este tipo de problema, seguindo a proposta do CPC, seria a elaboração cultural e teórica de manifestações genuinamente brasileiras, que resgatassem a produção nacional popular e ainda, que fossem instrumento de crítica política e social.

Os trabalhos desenvolvidos pelos artistas que compunham o quadro do CPC’s da UNE, portanto, desejavam criar uma arte que resgatasse o nacional popular e, ao mesmo tempo, fosse uma forma de se protestar contra questões de caráter político e social.

O movimento estudantil realizou outros atos contra as políticas educacionais, já sob o regime militar brasileiro. No ano de 1965, os estudantes saíram às ruas reivindicando mais verbas para o ensino, como também o fim do acordo MEC-USAID (Ministério de Educação e Cultura/ Agência e Ajuda Externa dos EUA).

Uma das principais mudanças propostas no acordo com a Agência norte-americana dizia respeito ao incentivo à privatização do ensino brasileiro, principalmente o Ensino Superior. Além disso, a Agência financiava programas educacionais de caráter conservador e subsidiava ainda a formação de pós-graduados no EUA. O USAID também tinha como objetivo promover no estrangeiro uma posição favorável aos EUA no que dizia respeito à Guerra Fria. Em um dos seus relatórios afirmava:

“A Guerra Fria é uma batalha para o intelecto do homem [...].Se nós pudermos ajudar essas universidades a exaltar a verdade, a encontrá-la e a ensiná-la, então nós teríamos a maior segurança de que o Brasil seria uma sociedade livre e um amigo leal dos Estados Unidos”. (USAID apud GERMANO, 2000; 127-8)

Guerra Fria: Momento histórico iniciado após o fim da II Guerra Mundial, no qual EUA (Estados Unidos da América) e URSS (União das Repúblicas Socialistas Soviéticas) dividem o mundo em dois blocos, o que era capitalista e o bloco comunista. Neste período houve uma série de conflitos indiretos entre esses dois países dentro de outros territórios nacionais, como, por exemplo, Cuba ou o Vietnã. A corrida armamentista, o desenvolvimento tecnológicoespacial e a busca pela expansão de seus regimes em outros países também foram marcas desse período.

Com posições contrárias a essas políticas educacionais propostas pela Reforma Universitária, mais uma vez, o movimento estudantil coloca- se contra as políticas desencadeadas pelo governo militar.

Por conta de suas atuações na sociedade brasileira, a UNE, e de modo geral, todo o movimento estudantil foi alvo do governo militar brasileiro. Já em 1° de abril de 1964, a sede da UNE, localizada no Rio de Janeiro, foi invadida e incendiada por um grupo paramilitar chamado CCC (Comando de Caça aos Comunistas). Esses grupos paramilitares agiram durante quase todo o período da ditadura, na tentativa de eliminar os movimentos sociais existentes que representavam um suposto “perigo vermelho”, como comunistas (organizados ou não nos partidos), e os estudantes que eram, em boa parte,vinculado à UNE.

Grupos Paramilitares: : organizações de caráter privado, que reproduzem o ideário do Estado e realizam ações com estruturas muito parecidas com as do Exército.

Fazer oposição a esse regime, no entanto, era uma ação bastante perigosa, principalmente, após o ano de 1968, quando os militares instituem o chamado AI-5 (Ato Institucional n° 05). Esses Atos eram instrumentos jurídicos que permitiam a criação de novas leis, que se sobrepunham a Constituição Nacional, mas ao mesmo tempo permitiam a utilização da mesma no que estivesse de acordo com os valores do regime militar.

Consta no artigo 4°do Ato Institucional n° 05 de 13 de dezembro de 1968:

“ Art 4º – No interesse de preservar a Revolução, o Presidente da República, ouvido o Conselho de Segurança Nacional, e sem as limitações previstas na Constituição, poderá suspender os direitos políticos de quaisquer cidadãos pelo prazo de 10 anos e cassar mandatos eletivos federais, estaduais e municipais”.

Esse ato dentre as várias ações que deliberava, colocou o Congresso Nacional em recesso, da mesma forma que várias Assembléias Legislativas Estaduais e Câmaras de Vereadores. Diversos parlamentares foram cassados e presos, inclusive um dos articuladores do golpe de 1964, Carlos Lacerda que, até o ano de 1965, mantinha-se como governador do antigo estado da Guanabara, hoje Rio de Janeiro. Este ato demonstra como o governo estava tornando-se cada vez mais rígido e punitivo.

A criação deste ato institucional ainda possibilitava que a qualquer momento fosse dada voz de prisão ao cidadão e encaminhado as instituições competentes (polícia política), sem a necessidade de um mandato judicial e sem a garantia do direito de “hábeas corpus”, que é um direito garantido por Constituição, no qual é possível que o preso seja libertado e aguarde todo o andamento do processo.

Isso possibilitava que a cada passo julgado equivocado pelo governo, a cada palavra dita fora da medida estabelecida pelo mesmo, o cidadão poderia ter rapidamente sua prisão decretada ou mesmo seus direitos de político, de jornalista, de compositor impossibilitados de serem exercidos.

Do ponto de vista social e político estabeleceu-se um caos no país do futebol, que não mais possuía um árbitro que antes do jogo estabelecesse as regras do mesmo, muito ao contrário, as regras, as normas e as possibilidades eram a todo o instante alteradas, obviamente, sempre de acordo com os interesses do governo.

É em meio desse conflito social e político, no qual os partidos e organizações de esquerda existentes estavam na ilegalidade e eram sempre considerados subversivos, e ainda, numa nação na qual existiam no Congresso Nacional apenas dois partidos políticos: o MDB (Movimento Democrático Brasileiro) e a ARENA (Aliança Renovadora Nacional), que o movimento estudantil brasileiro faz forte oposição ao governo, exigindo direitos democráticos e mudanças em suas políticas.

O ano de 1968 marca a história do Brasil, no entanto, não só pela criação do Ato Institucional n° 05, mas, também, porque neste mesmo ano foram realizadas inúmeras ações contrárias ao governo militar organizadas pelo movimento estudantil de grande repercussão nacional.

Uma série de fatos marca o movimento estudantil no ano de 1968, um dos mais chocantes foi a morte do estudante Edson Luís, no Rio de Janeiro, em março deste referido ano. Sua morte deve-se a um conflito entre os estudantes e a PM (Polícia Militar), a Polícia Civil e agentes do DOPs (Departamento de Ordem Política e Social).

Os estudantes estavam reivindicando que o restaurante universitário Calabouço, na UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) tivesse o valor de suas refeições reduzidas além das melhorias e conclusão das obras no estabelecimento. Uma manifestação foi organizada para que essas reivindicações se tornassem públicas, no entanto, neste período, era necessário pedir que o governo a autorizasse.

Uma vez não sendo autorizada, e ainda, por ser contrário ao governo, esse movimento foi brutalmente reprimido com violência dos policiais, levando o estudante Edson Luís à morte.

A partir da morte deste estudante, vários conflitos envolvendo os estudantes, a comunidade de modo geral e a polícia foram acirrados. A repressão policial tomava as formas mais brutais, deixando alguns setores da sociedade escandalizados com os fatos que eram transmitidos pela imprensa.

Na missa de sétimo dia de Edson Luís, novamente todos os participantes, inclusive os padres, foram cercados pela presença de policiais e da cavalaria na frente da Igreja da Candelária no Rio de Janeiro, antes e depois da missa.

A tensão e o medo de se desencadear novamente um massacre com os presentes para a missa, fez com que no final da mesma, todos saíssem juntos, com os padres na primeira fila.

“- Não gritem, não falem nada — de vez em quando dizia um padre. — Devagar, ninguém corre.

O silêncio do cortejo permitia que se ouvisse a impaciência do inimigo que os esperava a alguns metros: era aquele mesmo ruído de cascos de cavalos que antes chegava ao altar e agora estava cada vez mais próximo” (VENTURA, 1988: 121).

Mas apesar da repressão mostrar-se cada vez mais dura e obstinada em liquidar seus adversários, as manifestações, dos mais diversos grupos não deixaram de acontecer. Por todo o país, tanto os estudantes, como os intelectuais e militantes não deixaram de se organizar.

Em São Paulo, são impressionantes os relatos que tratam dos conflitos na Rua Maria Antonia, onde se localizavam a Faculdade de Filosofia da USP e a Faculdade Mackenzie. No caso de São Paulo, o conflito foi entre estudantes que tinham posições contrárias, os que tinham uma postura de esquerda, contestadora da ditadura com alunos cujas posições políticas estavam vinculadas ao do regime militar.

“[...] os estudantes da Universidade Mackenzie e da Faculdade de Filosofia da Universidade começaram uma batalha de tiros, bombas, rojões e coquetéis molotov que durou até o dia seguinte, deixando como saldo um prédio incendiado, muitos feridos e um morto: o secundarista José Guimarães de 20 anos”. (VENTURA, 1988: 221)

Como já foi afirmado anteriormente, a participação em movimentos sociais está vinculada à posição política que defendemos na sociedade. Desta forma, podemos encontrar no movimento estudantil os contrários à existência do próprio movimento contra a ditadura. Estes estavam por sua vez inseridos em organizações paramilitares como o CCC (Comando de Caça aos Comunistas), já citado anteriormente.

Os conflitos, portanto, aconteciam tendo os mais variados objetivos e defesas. E estes levavam a sociedade brasileira a uma situação de tensão constante. Inclusive, após a promulgação do AI-5, este estado de “nervosismo” tornou-se ainda mais comum, nem tanto pelo aumento dos conflitos, pois estes foram progressivamente reduzindo-se, já que o risco de ser preso e morto era enorme, mas pela dificuldade extrema de posicionar-se politicamante.

A lista de presos, torturados e desaparecidos durante a ditadura brasileira é imensa, há 125 presos políticos, cujo destino suas famílias nunca descobriram, mesmo existindo, já na época, um movimento organizado pelas mães e familiares dos presos que desejavam obter notícias de seus paradeiros.

PESQUISA

Vivemos em um país democrático, podemos eleger nossos governantes, podemos nos posicionar politicamente, podemos inclusive nos manifestar contra uma série de situações livremente… Será? Faça uma pesquisa sobre o movimento estudantil nos últimos anos aqui no Paraná e na sua cidade, e procure descobrir quais são as reivindicações do movimento estudantil na atualidade e ainda, pesquise se estas foram alcançadas.

A tensão e o descontentamento desses anos da ditadura brasileira podem ser percebidos vislumbrando-se não só uma série de manifestações dos estudantes, mas, também, podem ser ouvidos e sentidos quando analisamos uma série de composições da época.

Em muitas composições de vários artistas nacionais era cantada a tristeza do exílio, ou mesmo, a melancolia de uma sociedade na qual os direitos políticos dos cidadãos estavam completamente limitados. Neste período da nossa história, vários compositores, das mais diferentes vertentes musicais da época: tropicalismo, música popular brasileira tiveram suas canções parcial ou completamente censuradas pelos militares.

Chico Buarque de Holanda, um dos mais importantes compositores da música popular brasileira, teve diversas músicas censuradas pelo regime militar. Ele utilizava pseudônimos, como Julinho da Adelaide, para tentar burlar a censura dos militares.

Isso porque em suas letras, muitas vezes, ele criticava a ditadura ao mesmo tempo em que apostava em dias melhores. Dias melhores significavam para o compositor a retomada de um país democrático.

Em sua música “Apesar de você” está a esperança num futuro, ao mesmo tempo em que a ditadura brasileira é retratada como uma forma de conter o “florescimento” (desenvolvimento) da nação. Leia os versos da música abaixo:

Apesar de você

“[...] Apesar de você

Amanhã há de ser

Outro dia

Inda pago pra ver

O jardim florescer

Qual você não queria

Você vai se amargar

Vendo o dia raiar

Sem lhe pedir licença

E eu vou morrer de rir

que esse dia há de vir

Antes do que você pensa [...].”

(Chico Buarque, 1970)

Só que, ao mesmo tempo em que eram produzidas as chamadas músicas de protesto contra a ditadura, havia também os compositores que exaltavam o país do futebol, bem como, suas maravilhas e seu crescimento econômico vertiginoso.

Podemos observar essa diferente postura frente à sociedade brasileira da época quando analisamos trechos da música “Prá frente Brasil”, de Miguel Gustavo, que foi escrita para a seleção brasileira de futebol tri-campeã no ano de 1970.

Nessa canção, há a tentativa de valorizar conquistas esportivas nacionais do período, buscando retratar um Brasil otimista e promissor. Este tipo de postura, por causa do silêncio em relação às atrocidades do regime militar, substituído pelo elogio ufanista da nação, acabava por ser a forma de expressão ideológica mais apropriada aos propósitos de controle social por parte dos militares.

Prá frente Brasil

“Noventa milhões em ação

Prá frente Brasil do meu coração

Todos juntos vamos

Pra frente Brasil

Salve a seleção [...].”

(Miguel Gustavo, 1970)

Como pode ser observado, há nas duas canções uma postura diferente quanto à sociedade em que se vivia. Na primeira letra, de Chico Buarque, temos uma postura crítica, na qual se tem a esperança que aquela forma de organização política tivesse fim, a esperança do término da ditadura militar. Já na outra consagrada canção para os campeões da copa de 1970, a seleção canarinho, tem-se o ufanismo (exaltação) da nação brasileira.

Da mesma forma, portanto, que os movimentos sociais adquirem projetos diferentes em acordo com sua consciência de classe, na música, na arte em geral, a forma com que representa o mundo possui um vínculo direto com a maneira com que o indivíduo ou o grupo que a produz concebe e analisa a sociedade. Com isso, compreendemos o porquê destas duas posturas tão diferentes retratando o Brasil militar.

De um lado, portanto, com a música de Miguel Gustavo há a valorização da seleção de futebol e a aclamação de um futuro coletivo e melhor para a sociedade brasileira, com os versos: “Todos juntos vamos/ Pra frente Brasil [...]”; por outro, temos a música de Chico Buarque que em acordo com sua postura diante do regime ditatorial brasileiro (regime este que o obrigou a exilar-se, pois o referido compositor era contrário ao governo militar e um defensor da redemocratização do país), escreve uma música cuja principal mensagem é a aposta que mais cedo do que se imaginava o fim do regime chegaria.

Para Aprender

ATIVIDADE

Há uma música chamada “Sinal Fechado” do sambista Paulinho da Viola do ano de 1969, na qual há vínculos diretos com o período vivenciado pelo Brasil após a criação do AI-5, já mencionado anteriormente no texto. Analise esta letra e explique o porquê desta ligação, se preferir procure a letra na íntegra para realizar a atividade.

“[...]Quanto tempo… pois é… (pois é… quanto tempo…)

Tanta coisa que eu tinha a dizer

Mas eu sumi na poeira das ruas

Eu também tenho algo a dizer

Mas me foge a lembrança [...]”

Se no Brasil a década de 1960 foi marcada por uma série de manifestações de caráter social, nos quais o movimento estudantil teve uma atuação bastante importante, no restante do mundo, seja ele ocidental ou oriental, de modo geral os estudantes também estiveram presentes.

No que diz respeito ao ano de 1968, em diversos países os estudantes saem às ruas gritando palavras de ordem, pelo fim da Guerra do Vietnã, confrontando a rigorosa repressão sexual em voga, ou ainda, as rígidas relações de autoridade comuns nas escolas da época.

O ano de 1968 foi particularmente caloroso no mundo todo. Mas certamente podemos destacar alguns movimentos cujas repercussões extrapolaram seus limites nacionais.

Guerra do Vietnã: conflito entre os vietcongs e vietnamitas. Eles disputavam pelo território nacional do Vietnã, e tinham como aliados, os primeiros, os comunistas soviéticos, e os segundos os Estados Unidos da América, ambas forneciam homens e armamentos para os conflitos.

Você já ouviu falar do movimento hippie? Certamente sim, mas você sabe o que é? Qual a sua origem? Quais as suas causas, os projetos de vida de seus participantes?

Esse movimento tem sua origem nos Estados Unidos da América, com o objetivo de fazer oposição à guerra do Vietnã. Pregava-se o amor e não a guerra, com a frase: “Faça o amor não faça a guerra”, objetivava-se uma nova forma de vida cujos valores são bem diferentes do american way of life (jeito americano de ser), desenvolvendo uma forma de conceber a vida muito diferente dos valores sociais vigentes na atualidade.

E mais, o movimento hippie era contrário a esse consumismo desenfreado ao qual as pessoas subordinam-se cotidianamente. Consumismo este que inclusive se apropria do visual do movimento para “lançar a moda da próxima estação”.

O movimento hippie foi, portanto, também a expressão de uma “contra-cultura”, isso quer dizer que: ao mesmo tempo que eram contrários à Guerra do Vietnã, os que faziam parte do movimento também ofereciam uma forma de organização social diferente, diferente da forma com que a sociedade norte-americana organizava-se e se reproduzia tanto socialmente como culturalmente.

O movimento hippie pode ser considerado também a expressão social de certos descontentamentos referentes à sociedade norte-americana, da mesma forma que no Brasil, o movimento estudantil pode ser considerado fruto e tentativa de rompimento com valores obscuros e segregadores como os presentes no regime militar.

Se discutirmos o movimento estudantil francês, também poderemos observar que desde o seu surgimento há um descontentamento presente, e a necessidade de se criar algo novo na sociedade.

O chamado Maio de 68, na França, é um exemplo de movimento estudantil que também rompeu com os limites nacionais, pois na época, o mesmo influenciou outras atividades estudantis pelo mundo, ao mesmo tempo, que por meio de outras manifestações realizadas pelos quatro cantos do planeta também obteve a solidariedade de muitos estudantes.

O maio de 68 francês ainda hoje é discutido nas Ciências Sociais, sendo objeto de estudo de muitos pesquisadores, pois o mesmo proporcionou na sociedade francesa, durante seu curto período de intensas manifestações, a revelação de uma série de descontentamentos e possíveis soluções que marcariam a França para sempre.

“Na França a rebelião estudantil liderada pelo estudante Danny Cohn- Bendit, promove uma greve geral e aproximadamente 10 mil pessoas enfrentam a polícia num confronto que ficou conhecido como a Noite das Barricadas” (PARANA, 1998, s/p).

O movimento estudantil francês extrapolou os limites da universidade para incorporar na sua luta a necessidade de outros, como os trabalhadores, que num ato conjunto decide realizar uma greve geral na França.

Por conta do descontentamento com a estrutura universitária, os estudantes saem à rua e entram em choque, tal qual aconteceu no Brasil, com a polícia. E estes confrontos foram absolutamente violentos.

“[...] os confrontos entre universitários, colegiais, transeuntes, policiais serão extremamente violentos: carros tombados, incêndios de caixotes, granadas de gás lacrimogêneo, espancamentos.” (MATTOS, 1981: 53).

Da mesma forma que aconteceu no Brasil, uma série de estudantes foram presos; a Universidade Sorbonne foi invadida pela polícia na tentativa de sufocar o movimento. Essas invasões às Universidades foram atitudes bastante presente aqui no Brasil; os estudantes da UnB, por exemplo, foram brutalmente reprimidos em Brasília, dentro da própria universidade.

O maior diferencial do movimento do Maio de 1968, foi sem dúvida, sua junção com movimentos de trabalhadores que também participaram dos conflitos de rua. Barricadas eram montadas nas ruas para a proteção. Os paralelepípedos eram arrancados das ruas e posteriormente eram utilizados como “arma” lançados nos policiais.

Seria possível elencar uma série de manifestações estudantis pelo mundo que tiveram sua organização estritamente vinculada aos fatos ocorridos na França, vários movimentos acontecem em apoio aos estudantes franceses, por exemplo, na Tchecoslováquia.

Os estudantes da Tchecoslováquia, que em maio de 1968, manifestaram-se favoráveis aos estudantes franceses na frente da embaixada da França, também tentaram resistir meses depois à invasão soviética em seu país.

Mais uma vez, mostra-se uma capacidade muito grande dos movimentos estudantis em se organizarem e imporem uma resistência a sistemas políticos que por meio de determinadas formas de organizações reprimem e limitam a atuação e criação do homem em sociedade.

Com tudo o que foi discutido e apresentado neste texto, concluímos que o movimento estudantil historicamente possui uma grande possibilidade de resistência e de participação social… Pensando nisso… vocês, alunos, já discutiram sobre o Grêmio Estudantil da sua escola?

Não há nenhum movimento que já tenha começado grande, a história tem um ritmo próprio, no qual tudo é construído, portanto, iniciar pelo grêmio estudantil já é um bom começo.

Mas se lembrem, as organizações sociais devem ser discutidas sempre com muita responsabilidade, pois o movimento estudantil no mundo todo possui uma histórica digna e feita de importantes projetos para transformação social.

Para Aprender

PESQUISA

Bem pelo que abordamos neste texto e nos dois Capítulo anteriores sobre os movimentos sociais, vimos que para a existência de qualquer forma de organização é necessário um ponto em comum, que pode ser um desejo de transformação.

Na última atividade proposta, vocês alunos pesquisaram sobre as ações do movimento estudantil hoje. Mas e vocês, alunos do Ensino Médio possuem um projeto, têm desejos para si e para a sociedade ?

Ou vocês acham que em nossa sociedade está tudo bem, nada deve ser mudado?

Estamos num mundo no qual catástrofes ecológicas vêm sendo anunciadas, por conta de desequilíbrios ambientais, um mundo onde há um continente inteiro morrendo de fome, e muito pouco é feito, uma sociedade que ainda reproduz valores como os racistas e ainda acham que os errados são os negros…

É possível elencar uma lista de situações desagradáveis que devem ser mudadas…

Pensando nisso, desenvolvam um texto apontando elementos que poderiam favorecer mudanças positivas na sua vida e na da sua comunidade.

Fonte: Secretaria de Estado da Educação


Lembre-se, este site também é seu! Divulgando esta história, você trará mais visitas ao site e nos dará força para manter o mesmo sempre atualizado.

About Diamond