Guerra do Peloponeso (431-404 a.C.)

Guerra do Peloponeso (431-404 a.C.)

Com a fundação da aliança político-militar conhecida como Liga do Peloponeso, Esparta liderou os esforços de um conjunto de cidades (Corinto, Mégara e Tebas) que se opunham ao domínio ateniense. Teve início, então, a Guerra do Peloponeso, que durou 27 anos, com breves intervalos de paz. Ao final desse desgastante conflito, o mundo grego estava debilitado. Os atenienses foram derrotados. Aos poucos, procuraram reconquistar sua posição no mundo grego, mas não conseguiram recuperar a antiga liderança. Vitoriosos na Guerra do Peloponeso, os aristocratas espartanos estenderam sua influência sobre o mundo grego durante cerca de trinta anos (404-371 a.C.). Essa liderança foi interrompida por novas revoltas entre as cidades gregas, agora contra a autoridade de Esparta, comandadas pelos habitantes da cidade de Tebas, que contava com um poderoso exército. Após vencer as tropas espartanas, as lideranças tebanas instituíram um período de hegemonia entre os gregos, que durou de 371 a 362 a.C.

A guerra do Peloponeso, cuja história Tucídides escreveu, durou vinte e sete anos (431 a 404 a.C.), e envolveu praticamente todo o mundo helênico e outras regiões mais remotas com as quais a Hélade mantinha relações. A morte impediu o autor de terminar a obra, interrompida no relato do vigé­ simo primeiro ano da conflagração (411/410 a.C.).

CONFEDERAÇÃO DO PELOPONESO (432 a.C.)

• Aliança militar de cidades do Peloponeso.

• LÍDER: Esparta.

• OBJETIVO: derrotar o imperialismo ateniense.

• Aliança com os Persas.

 



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *