História da Ginástica Aeróbica Esportiva

A Ginástica Aeróbica Esportiva (GAE) iniciou no Rio Grande do Sul – RS como prática de exercícios físicos para a sociedade em geral, no final da década de 1980, mas logo transformou-se em um esporte competitivo de alto nível, surgindo nas academias de ginástica com a denominação Aeróbica Competitiva. A GAE completou em 2005, 16 anos de existência como modalidade competitiva no Brasil. Este fato torna-se relevante pela posição de destaque assumida pelo país nesta modalidade, permanecendo no período com a 1º posição no ranking mundial deste esporte. O RS tem colaborado ativamente para esta posição do Brasil, com a participação de atletas de ponta nas competições nacionais e internacionais, bem como a criação, direção e organização das competições dentro território nacional.

Definição: A Ginástica Aeróbica Esportiva (GAE) é um esporte em que os atletas devem executar uma rotina de técnicas, com acompanhamento musical, com duração aproximada de 1 minuto e 45 segundos, dentro de um espaço delimitado (7 x 7 metros). A série de exercícios deve conter movimentos ou técnicas que abranjam as diferentes capacidades físicas, tais como: força, flexibilidade, coordenação e resistência, com dinamismo e expressão, conforme a técnica de execução específica da modalidade. A comissão de GAE da Federação Internacional de Ginástica – FIG apresenta várias versões do código. Todas elas com uma preocupação fundamental: preservar o caráter único da GAE. Para tal, ela entendeu que, diante da diversidade deste esporte, seria preciso estabelecer três critérios de avaliação: a dificuldade, a execução e a qualidade artística. Uma rotina de GAE atualmente deve conter, no máximo, doze elementos de dificuldade distribuídos entre as quatro famílias de elementos (força estática, força dinâmica, flexibilidade e salto) de forma original e criativa, apresentando os sete passos básicos da ginástica (polichinelos, afundo lateral, saltar ou saltitar, elevação dos joelhos, corrida, chutes e andar) demonstrando, de forma diversificada, uma execução perfeita. As categorias da GAE são: Individual Masculino, Individual Feminino, Dupla Mista, Trios e Equipes (6 a 8 atletas).

1987: O “Cristal Light” foi o primeiro campeonato de aeróbica no Brasil, realizado neste ano em São Paulo. O evento foi coordenado e dirigido pelos sócios Waldir Soares e Maurício Fernandes. Esta competição acontecia entre as academias mais populares do Estado de São Paulo, onde o que resistisse à intensidade da competição e apresentasse uma coreografia criativa seria o campeão. Após este campeonato, com a separação da sociedade entre Soares e Fernandes, cada um tornou-se representante de uma federação internacional no Brasil: a ICAF, presidida por Waldir Soares que criou o Campeonato Aeróbica Brasil; e a IAF, presidida por Maurício Fernandes que criou o Campeonato Internacional de Aeróbica M2000. As respectivas federações criaram em cada região do Brasil seus diretores responsáveis. Na região Sul a ICAF foi dirigida pelo professor Daniel Schneider e a IAF pela professora Clotilde Tonial. As primeiras competições no Estado começaram a criar uma grande popularidade a partir de 1989, quando algumas equipes começaram a surgir. A primeira etapa do Campeonato Internacional IAF em Porto Alegre ocorreu neste mesmo ano no Teatro da OSPA. Alguns programas de auditório muito populares na época como “Viva a Gorda” faziam torneios da modalidade em ascensão, proporcionando aos Campeões um certo status.

1989: Surgem as primeiras competições internacionais, nas quais participaram EUA, Canadá, Argentina, Brasil e Japão. Estas competições foram realizadas nos EUA, possibilitando a formação da primeira Associação Internacional de Aeróbica, com o nome de International Competitive Aerobic Federation – ICAF. No mesmo momento, no Japão, uma outra associação surgiu com o nome de IAF, isto é International Aerobic Federation. Na mesma época, no Brasil, surgiram os representantes destas federações, que comercialmente percebiam nas academias um grande potencial de rentabilidade e de criação de símbolos para esta nova modalidade. Sendo assim, foi criado o “Campeão de Aeróbica”, ou seja, aquele aluno ou professor da academia que uniria habilidade de um ginasta e o carisma de um artista.

1989: As academias de Porto Alegre perceberam nesta modalidade um grande nicho de mercado, criando assim as suas equipes de competição. As principais equipes eram: Academia do Parcão, Sociedade de Ginástica Porto Alegre – SOGIPA, Marathon, Instituto Porto Alegre – IPA, Tentos Academia, Universidade Federal de Santa Maria – UFSM e outras. Nomes que despontavam como futuros campeões: Alan Greco, Argeu Quadros, Roberto Ribeiro Teixeira (Betão), Cláudio Franzen, Etiberê do Amaral, Vilson Pereira (Fumaça), José Gioscia, Loraine Guimarães, Luis Darsie, Márcia Gralha, Marcelo Pequá, Maria Lúcia Barbosa, Mila Moreira, Mário Felizardo, Patrícia Jardim, Paulo Darsie, Ronaldo Friedel, Suzana D’Ávila, entre outros.

1990: Neste ano as competições no Rio Grande do Sul começaram a ser mais técnicas, dificultando a participação de muitos atletas.

1991: A partir deste ano, os regulamentos oficiais vinham das federações internacionais e tinham que ser seguidos em competições nacionais e estaduais.

1992: Os primeiros gaúchos a conquistarem um título nacional, em Belo Horizonte – MG, foram Cláudio Franzen e Maria Lúcia Kroeff, na categoria de duplas. No mesmo ano, conquistaram a categoria de trios: Paulo Darsie, Luis Darsie e José Gioscia. A dupla classificou-se para o Suzuki World Cup (Campeonato Internacional de Aeróbica da IAF, no Japão), considerada a Copa do Mundo de Aeróbica, obtendo a 10a colocação no evento. O trio, por sua vez, participou da Copa Internacional realizada em São Paulo – Brasil no mesmo ano, ficando com o segundo lugar da modalidade. Com a vitória dos gaúchos Cláudio Franzen e Maria Lúcia Barbosa, a mídia estadual inicia o apoio a esta modalidade. A dupla considerada símbolo do esporte participava de vários eventos no Estado. No Campeonato Aeróbica Brasil, etapa RS, realizado na SOGIPA, vários nomes surgiram como favoritos a títulos nacionais, como: Betina Ribeiro no individual feminino, Marco Rodrigues no individual masculino, a dupla Cláudio Franzen e Maria Lúcia Barbosa e o trio Paulo Darsie, Luis Darsie e José Gioscia.

1993: O gaúcho Ronaldo Friedel transfere-se para São Paulo para formar um trio da Academia Competition, que vencera na época o Campeonato Pan-Americano no Guarujá – SP. Marco Rodrigues venceu o título Nacional da Categoria Individual masculino, classificando-se para o Mundial de 1994. O gaúcho Eduardo Raupp, morando em São Paulo, juntamente com a atleta Regiane Silva, participaram como dupla no Campeonato Brasileiro de 1993 pela academia Triathlon (SP), e empataram duas vezes (fato inédito em todos os quesitos) com Cláudio Franzen (RS) e Helena Cardoso (PA), que ao final das provas, ficaram em segundo lugar.

1994: Na seletiva para o Campeonato Mundial (da ICAF) realizada na cidade de Santos – SP, a dupla Cláudio Franzen e Helena Cardoso conquistou a vaga. Um mês depois da seletiva em Las Vegas o Rio Grande do Sul conquistou o primeiro título Mundial para o Estado, com a dupla Franzen e Cardoso. No individual masculino Marco Rodrigues finalizou as provas em 5o lugar. A dupla, conhecida como Norte-Sul, Helena Cardoso e Cláudio Franzen, tornou-se Símbolo Nacional do Esporte, participando de programas de TV como “Show da Xuxa”, “Hebe Camargo”, “Domingão do Faustão”, “Esporte Espetacular” e outros. Cláudio Franzen e Helena Cardoso conquistam o Campeonato Germany Open (Copa da Europa), o Open de Porto Rico (considerado o Pan-Americano) e o título mais importante da GAE para tornar-se um esporte oficial, o Good Will Games (Jogos da Amizade).

1995: Neste período iniciou a legalização da GAE no RS, onde grandes clubes iniciaram filiações de atletas para participarem de eventos nacionais e internacionais. A Federação Riograndense de Ginástica – FRG criou o Departamento de Ginástica Aeróbica, objetivando a popularização do esporte no Estado. A SOGIPA, a partir da campanha “Atlanta 96”, filiou quatro grandes estrelas nacionais para representarem o clube nos Campeonatos da Confederação Brasileira de Ginástica: Cláudio Franzen, Helena Cardoso, Olga Cardoso e Mário Américo. Obtendo no Brasil títulos como: Campeão Geral Interfederações, realizado em Curitiba, 1o lugar na categoria individual masculino no Mundial de Paris, por Mário Américo; 5o lugar pela dupla Cláudio Franzen e Helena Cardoso. Na ICAF, a dupla formada por Eduardo Raupp e Regiane Silva classificou-se em 1o lugar no Mundial de Orlando; a dupla Cláudio Franzen e Helena Cardoso ficou com o 5o lugar e no individual feminino Olga Cardoso também em 2o lugar. Neste ano, as Federações Internacionais romperam diplomaticamente acordos, criando um grande desgaste na modalidade, dividindo-se em Associação Nacional de Aeróbica Competitiva – ANAC (antiga ICAF), IAF e FIG.

1996: Cláudio Franzen passou a assumir a Direção Técnica da GAE na FRG, organizando o Primeiro Campeonato Estadual da FIG no Estado. O evento foi realizado na SOGIPA, com a presença de vários atletas, dentre eles os campeões da categoria trio: Jocelito Morais, Osmar Bohrer e Alexandre Ascal; na categoria dupla: Jean Bueno e Karine Brasil.

1997: A partir deste ano até 2004, o Estado permaneceu representado nos cenários nacional e internacional apenas por Cláudio Franzen que conquistou inúmeros títulos (ver títulos conquistados / premiações Tabelas 1 e 2 ).

2003: Neste ano, percebendo a necessidade da criação de um órgão que pudesse auxiliar no desenvolvimento e popularização do esporte, o professor Cláudio Franzen (Porto Alegre-RS), juntamente com a professora Terezinha Isobe (SP), responsável técnica pela organização da Feira Fitness Brasil, iniciaram a regulamentação da Liga Brasileira de Aeróbica e Fitness – LIBRAF. Foi então criada a primeira diretoria presidida por Cláudio Franzen, e ainda composta por Terezinha Isobe, Regina Cavalcanti (Ribeirão Preto-SP), Clotilde Tonial (Porto Alegre) e Eliane Dutra (Porto Alegre). No RS, vários órgãos foram incentivadores da modalidade. Desde o início da Liga, a Câmara de Vereadores de Porto Alegre, através do vereador Carlos Alberto Garcia (professor de educação física), apoiou incondicionalmente a criação da mesma. A Secretaria Municipal de Esporte e seu fundo financeiro FUNDERGS, auxiliaram na realização da primeira Copa Brasil e Sul-Americano de Aeróbica, mostrando o empenho do Estado em desenvolver esta modalidade. Com cerca de 140 atletas, esta competição marcou o início de uma nova era na Aeróbica Esportiva. Porto Alegre foi então representada pelo Centro Esportivo Franzen Fitness com os atletas Richard Rodrigues (3o lugar na Copa Brasil), Vinícius Toniolo, Patrícia Amorim, Kim Samuel, Deburah Schnarczk e Jaqueline Moor (Campeões Sul-Americanos na categoria equipes) e Cláudio Franzen (Campeão Sul-Americano na categoria individual masculino).

2004: Contando com o apoio dos mesmos órgãos oficiais, a LIBRAF, pela competência e execução da primeira Copa, recebeu credibilidade e suporte, tornando o evento parte do calendário oficial do município de Porto Alegre. Neste ano o Campeonato contou com 200 atletas. O Centro Esportivo Franzen Fitness representou o Estado com os atletas: Liciana Possani (Campeã Brasileira no individual feminino); Liciana, Lisandra Carvalho Pinto e Sheila Viviane Ribeiro Nery (Campeão na categoria trio); Vinícius Toniolo e Francine Leal (Campeão na categoria dupla); Richard Rodrigues (Campeão individual masculino); Kim Samuel (Vice-Campeão no individual) e Geraldo Pereira (Terceiro lugar no individual). A Academia ainda contou com a participação da equipe Júnior de Hip-Hop formada por meninos carentes do Morro da Cruz; Francine Leal e Vinícius Toniolo (Terceiro lugar no Sul-Americano na categoria duplas). Neste ano a modalidade Hip-Hop tornou-se esportiva. O RS sagrou-se Campeão Brasileiro e Sul-Americano e teve os seguintes representantes: Tais Michel, Everton Maia, Carolina Dias, Luis Paulo Maeda, Andréa Proença, Pámela Kist, Manuela Möller e Junior Soares.

2005: A LIBRAF, com a nova eleição, confirma o seu quadro deliberativo, presidida pelo professor Cláudio Franzen, como vice a professora Terezinha Isobe, conselho fiscal Eduardo de Freitas e Henrique Franken, secretariada por Eliane Keipler Dutra de Freitas. A III Copa Brasil e Sul-Americano de Aeróbica e Hip-Hop passa a ter importância no desenvolvimento da GAE no Estado, no Brasil e na América Latina.

Situação Atual: A Ginástica Aeróbica Esportiva no Rio Grande do Sul está em grande processo de ascensão devido ao apoio recebido dos Governos do Estado e dos Municípios. Grande parte do crescimento da Aeróbica Esportiva deve-se também a fundação da Liga Brasileira de Aeróbica e Fitness-LIBRAF.


Lembre-se, este site também é seu! Divulgando esta história, você trará mais visitas ao site e nos dará força para manter o mesmo sempre atualizado.

About Diamond