A História e Biografia de William Harvey

William Harvey (1578-1657) veio de uma família inglesa que tinha recursos suficientes para custear seus estudos na Universidade de Cambridge. Depois de se formar, começou a estudar medicina na Universidade de Pádua, na Itália. Harvey adotou o conceito da ciência experimental e o aplicou às matérias de medicina. Ele estudou com Hieronymus Fabricius (1537-1619), que havia descoberto válvulas com fluxo de uma só direção nas veias.

Em sua época, a anatomia era usada para explicar a estrutura do corpo. Entretanto, o entendimento das funções dos órgãos estava bem atrasado. Os médicos acreditavam que as veias carregavam o sangue através de um fluxo lento e irregular para longe do coração. O médico grego Galeno ensinou que o fígado fabricava sangue novo para substituir o velho. Acreditava-se que as batidas do coração eram causadas por um fluxo repentino de sangue através dele.

Em 1602, William Harvey se formou em medicina e voltou à Inglaterra. Ele se casou e iniciou uma carreira bem-sucedida em pesquisa médica, em Londres. Harvey comparou os tecidos do coração com os músculos e viu que o órgão era um forte feixe de músculos. Sua estrutura era tão semelhante aos componentes de uma bomba d’água, que ele concluiu que o coração era uma bomba de sangue. Calculou que, em uma hora, o coração bombeava 26,5 litros de sangue, muito mais do que o fígado poderia enviar. O sangue tinha que circular por um caminho fechado, para que pudesse ser reaproveitado. Suas experiências mostraram que as veias levavam o sangue para o coração. Ele percebeu que as pequenas válvulas que Fabricius havia descoberto impediam que o sangue corresse para trás.

Em 1616, Harvey deu sua primeira palestra sobre a circulação do sangue para o Colégio de Médicos de Londres. Ele publicou suas opiniões, em 1628, em On the Motion of the Heart and Blood in Animals (Sobre o Movimento do Coração e do Sangue nos Animais), que tinha apenas 52 páginas impressas, mas fundamentava sua posição com uma quantidade surpreendente de provas. O livro gerou muito interesse e resultou em discussões acaloradas entre seus apoiadores e opositores. Aqueles que o criticavam o chamavam de ”Circulador”, comparando-o aos falsos médicos que circulavam de vilarejo em vilarejo vendendo remédios duvidosos. A única crítica verdadeira que eles conseguiram levantar foi a de que Harvey não havia conseguido demonstrar como o sangue passava das artérias para as veias.

A maioria dos outros escritos de Harvey, como a autópsia de um homem que teria 152 anos de idade, não teve destaque. Entretanto, Harvey viveu até os 80 anos de idade, o suficiente para ver sua obra revolucionária ser totalmente aceita. Quatro anos após sua morte em Londres, Marcello Malpighi (1628-1694) detectou os mínimos vasos capilares que conectam as artérias às veias. Harvey havia antevisto sua existência.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *